Pandemia se soma ao preconceito e cria ainda mais dificuldade para os afetos LGBTs

 

Restrições necessárias a bares, festas e boates se somam aos impedimentos impostos pelas famílias e pela sociedade

Vinícius Sobreira
Brasil de Fato | Recife (PE) |

Restrições de atividades impostas pela pandemia fecharam locais seguros para LGBTs, que também não podem viver seus afetos em casa – Mídia Ninja

Viver o afeto, amor e a sexualidade costuma ser um desafio para pessoas LGBTs. Nos locais públicos estão expostos às violências LGBTfóbicas da sociedade, mas nem no espaço de suas casas – normalmente compartilhadas com a família – elas e eles têm acolhida para seus afetos.

Os bares, boates e festas que criam ambientes menos inseguros para essa população são caminhos comuns para a “paquera”, sempre com o auxílio das redes sociais. Mas com as restrições impostas pela pandemia de coronavírus, boates e festas já não são alternativas e os bares tornaram-se mais arriscados.

:: Mês do Orgulho LGBT: como o arco-íris se tornou a bandeira do movimento ::

A jornalista Helena Diniz*, de 25 anos, é lésbica e mora com os pais em Petrolina, sertão do estado de Pernambuco. Apesar de já ter tentado conversar sobre sua orientação sexual duas vezes com seus pais, ela considera o assunto “delicado até hoje”.

“Acho que eu já sabia desde novinha, na escola, mas não entendia muito bem. Quando cresci, comecei a entender o que sentia quando era menor”, recorda Helena. Ela só se entendeu como lésbica depois de ingressar na Universidade. “Eu já tinha 19 ou 20 anos. Depois comecei a namorar e senti a necessidade de falar com a minha família sobre isso. Foi um baque”, lembra ela.

Na conversa ela não foi repreendida pelos pais, mas o desconforto deles foi grande e a mãe foi parar no hospital. “A gente não tocou mais no assunto e eu não sabia o que eles pensavam em relação a isso. Acho que eles pensavam que aquilo era algo momentâneo”, diz ela, não se sentiu autorizada a levar a então namorada para casa.

“Quando eu saía, evitava falar que estava indo encontrá-la. Mas eles sabiam e se faziam de doidos”, acredita. Depois o namoro acabou, veio um outro namoro do qual os pais nem ficaram sabendo – este também acabou.

:: População LGBTI+ demanda inclusão no mundo do trabalho para combater discriminação ::

Na faculdade de jornalismo ou com os amigos, as preferências de Helena não eram segredo para ninguém. “Sempre me senti muito livre. Quem me conhece, todos sabem que sou ‘sapatão’.

Na verdade, o tabu é só em casa”, diz ela. Os bares frequentados pelas LGBTs da cidade eram ponto de encontro com amigos e também com o romance da vez. “Eu nunca tive dificuldade de me relacionar com ninguém”, conta Diniz.

Mas veio a pandemia e não tem mais barzinho e nem festa com amigos. “Tive que ‘me assumir’ duas vezes. Nos primeiros meses de pandemia, senti a necessidade de falar novamente no tema, para saber o que meus pais achavam”, conta Helena.

Mais madura e segura para o momento, conseguiu dizer coisas que faltaram na primeira conversa. “A reação foi melhor. Não dá para dizer que foi ótima, mas foi melhor”, lembra. Ficou um “clima estranho” na casa por alguns dias, mas passou. “A gente não fala sobre isso, mas me sinto confortável para quando for preciso”, garante Helena.

A jornalista conta que a restrição de saídas a levou a baixar um app de relacionamento que a ajudasse a conhecer outras pessoas, “mas não dá muito certo”.

Ela considera que tem vivido os afetos mais através de amigos do que de outras mulheres. “Tenho dois amigos que são LGBTs e de vez em quando encontro eles. Acho que eu tenho recebido mais pelo carinho deles do que tenho me relacionando com alguém”, diz Helena.

:: Pessoas LGBT tiveram mais problemas financeiros e de saúde na pandemia, diz estudo ::

Mas recentemente ela conheceu uma garota e elas estão “ficando”. Mas sempre que querem se encontrar, é uma dificuldade. Helena já teve de ouvir ofensas e chegou a ser perseguida na rua devido sua sexualidade. “Além dos riscos do coronavírus, não podemos ir a qualquer lugar, por questões de homofobia. E aí vamos a alguma praça, um lugar mais aberto, arejado e que não tenha muita gente”, diz ela. “De vez em quando dá certo de uma ir à casa da outra, quando não tem família”, conta, mencionando ainda o risco de situações constrangedoras.

Infelizmente o caso de Helena não é raro. “A maioria dos meus amigos são LGBTs. Então está todo mundo vivenciando a mesma situação, de não ter para onde ir e não poder receber em casa”, diz ela. De todos os seus amigos, apenas uma delas tem abertura da família para viver sua afetividade. “Lá fora, mesmo antes da pandemia, já era perigoso pela homofobia. E você não ter segurança nem dentro de casa fica muito ruim, você fica sem ter para onde ir e acaba se arriscando, se expondo, o que numa pandemia é um risco ainda maior”, diz ela.

Diniz considera “extremamente importante” uma família que apoie sua vida afetiva. Mas infelizmente este não é o caso dela, ao menos por enquanto. “Não posso trazer ninguém, nem ir para a casa da pessoa, então temos que nos encontrar na rua, sem saber o que vamos encontrar e com risco de voltar doente”, conclui.

*Helena Diniz é um nome fictício, já que a entrevistada pediu para não ser identificada.

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Monyse Ravena

Texto originalmente disponível no endereço: https://www.brasildefato.com.br/2021/06/15/pandemia-se-soma-ao-preconceito-e-cria-ainda-mais-dificuldade-para-os-afetos-lgbts

Rildo Veras

Rildo Veras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *